Por David Joel Hamilton, editado por Dawn Gauslin

Você alguma vez já encontrou alguém que lhe disse, “Eu não acredito em Deus!”? E quando você perguntou aquela pessoa quais eram as características desse Deus que ela não cria, sua descrição  foi tão imprecisa que você lhe disse, “ Eu também não creio nesse Deus!” Exatamente como essas pessoas precisam de um novo entendimento acerca de quem Deus é, assim também precisamos de um novo entendimento dado por Deus sobre o que significa “universidade.”

O que é que vêm a sua mente quando você ouve a palavra “camelo”? Corcunda? Joelhos protuberantes? Lábios grandes? Que tal se Deus criasse um novo camelo com características diferentes? E se esse animal não tivesse corcunda? E se seus lábios fossem trocados por uma longa tromba? Ele pareceria estranho e desconhecido.

A respeito do conceito de “universidade,” Deus necessita de um novo animal para um novo tempo – um com infra-estruturas, instalações, modelos, sistemas e currículos diferentes do conceito tradicional de universidade que nos vêm a mente. As coisas que eram, não serão mais; e as coisas que não eram, essas e que serão.

Qual é o propósito da universidade tradicional? Educação?. Treinamento. Obter um diploma. Conseguir um trabalho. Conseguir uma posição. Mas para quê? Geralmente, por dinheiro. Educação é um diploma que equipam pessoas para subir a escala social a fim de obter ganhos econômicos, especialmente no mundo subdesenvolvido.

Por exemplo, Santiago no Chile tem mais doutores em Medicina do que eles podem empregar e utilizar. Em contraste, as ilhas no sul do Chile não possuem cuidados médicos e se encontram em tremenda necessidade do mais básico tratamento médico. Sera? que os médicos de Santiago iriam para o sul do Chile para preencher a necessidade? Não, porque não seria financeiramente vantajoso. Ao invés disso, eles tentam ganhar mais educação em áreas de especialização que os permitirão obter ainda mais lucro econômico.

É certo que algumas pessoas vão para a universidade por causas humanitárias ou cristãs. Mas o que eles recebem em uma universidade tradicional é incompleto e faltam-lhes os fundamentos bíblicos apropriados para os sustentarem nos traumas da vida real de um campo de refugiados ou de um hospital de AIDS.

Clique aqui para visitar o site da Universidade das Nações.

Como é que a U.N. é diferente da universidade tradicional?

1. A Universidade das Nações é global, com mais de 300 tipos diferentes de cursos oferecidos em mais de 60 línguas e em 330 localidades em 120 nações ao redor do mundo. A U.N requer que seus formandos estudem em dois continentes diferentes a fim de ajudá-los a entender a Vila Global do século 21.

A Universidade das Nações não procurou reconhecimento sob nenhum tipo de sistema de qualquer país. Por ser uma verdadeira universidade global é importante que não venha a se colocar debaixo das leis educacionais de nenhum país em particular. Colocando-se debaixo dos requerimentos ou restrições de um país corre o risco de podar o crescimento e desenvolvimento da U.N. em outras nações. Ao contrário, a U.N. prefere, assim como o fez a Universidade de Harvard, estabelecer um novo modelo e padrão de excelência.

2. A Universidade das Nações é modular. Os alunos estudam por um período de três meses no qual se concentra em uma área de estudo intensiva, ao invés de estudar uma variedade de tópicos todos ao mesmo tempo. Este sistema modular envolve um enfoque maior e produz uma curva de aprendizado crescente.

3. A Universidade das Nações integra teoria com a prática. Os alunos aplicam o que aprenderam na sala de aula no prático ou estágio no campo. A U.N. crê no fazer para depois ensinar ao invés de ouvir e depois ensinar.

4. A Universidade das Nações utiliza professores visitantes. Ao invés de ter somente um professor da casa, a U.N. se beneficia da diversidade e riqueza dos instrutores convidados que vêm diretamente do envolvimento no seu campo de especialização para compartilhar em primeira mão com os alunos. Isto leva a um alto nível de qualidade educacional com muito menos estagnação. É também mais econômico, pois há um grupo menor de professores residentes.

5. A Universidade das Nações está fundamentada no ponto de vista Bíblico cristão. A perspectiva e a base Bíblica são a pedra fundamental para se contemplar tudo na vida e no aprendizado.

Por exemplo, para um curso de artes, alguém poderia ensinar o mesmo conteúdo básico em termos de currículo e treinamento de habilidades como na universidade tradicional, adicionar um programa de capela uma ou duas vezes por semana e chamar a isto de “educação Cristã.” Mas, num curso de artes da U.N., os alunos começariam conhecendo a Deus, o Criador e Autor de toda a beleza. Eles então estudariam as bases e valores Bíblicos de beleza dentro do contexto de Deus. Isto poderia ser seguido por um foco na História da Arte sob uma perspectiva cristã! como o cristianismo influenciou as artes; ou como as influências ímpias deturparam as expressões artísticas, etc. Então, com esta perspectiva e fundação, integraria-se o ensinamento de habilidades práticas.

6. A Universidade das Nações focaliza sete esferas de influência na sociedade através de suas sete Faculdades:

  • Faculdade de Saúde e Aconselhamento
  • Faculdade de Ministérios Cristãos
  • Faculdade de Educação
  • Faculdade de Comunicação
  • Faculdade de Artes
  • Faculdade de Estudos Internacionais e Humanitários
  • Faculdade de Ciência e Tecnologia

7. A experiência na Universidade das Nações começa com uma Escola de Treinamento e Discipulado, que serve como a porta de entrada para uma educação através da Universidade das Nações ou serviço em Jovens Com Uma Missão. A ETED inicia com os fundamentos do caráter cristão de vida e segue a ordem bíblica em 2 Pedro 1:5-8, “por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé, a virtude; com a virtude, o conhecimento; com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com o perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. Porque essas cousas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Qual é o propósito da Universidade das Nações?

A motivação não é o ganho financeiro, mas o de tocar as vidas de pessoas que necessitam do toque de Deus; não para melhorar nossa própria vida, mas para servir outros a fim de que suas vidas melhorem.

A U.N é diferente porque existe por uma razão também diferente! equipar pessoas para fazer o trabalho de Deus. Para dar a eles “habilidades de passaporte” para servir em países nos quais não podem entrar como missionários tradicionais, ou para servir em áreas da sociedade onde não poderiam servir sem as ferramentas necessárias para fazê-lo.

A Grande Comissão precisa sempre ser o coração da U.N.:

Marcos 16:15 IDE e PREGAI para INDIVÍDUOS
Mateus 28:19-20 IDE e FAZEI DISCÍPULOS de todas as NACO?ES

Este é o duplo desafio no coração de Deus. Ele quer que preguemos para cada indivíduo e que façamos discípulos de todas as nações (observe: está escrito de todas as nações , não em todas as nações). Devemos alcançar indivíduos com o Evangelho a fim de que eles, por sua vez, possam ser sal e luz, moldando cada esfera da sociedade. A U.N. é chamada a equipar pessoas para converterem o indivíduo e transformarem a sociedade a fim de que “o reino deste mundo torne-se o Reino de nosso Senhor” (Apocalipse 11:15). Portanto, a U.N. é uma ferramenta para realizar o longo e esperado sonho de Deus.

Alguns de nós alcançamos sucesso nos sistemas educacionais do mundo; outros, não. Muitos de nós foram feridos através dos valores não Bíblicos do sistema deste mundo.

Quando Juan Carrasco, um JOCUMeiro latino trabalhando no Norte da África , ouviu a descrição da U.N. como um novo tipo de animal “como um camelo sem corcunda mas com uma tromba adicionada, ” ele comentou, “Você sabe, eu andei num camelo outro dia e foi muito desconfortável e esquisito. Como é bom que Deus esteja nos dando um camelo sem corcunda!”

A Universidade das Nações é uma nova universidade! um multiplicador para missões! onde os alunos não são espremidos dentro do molde da sociedade, mas são modelados de acordo com o destino de Deus para eles como indivíduos a fim de alcançarem toda a sociedade.